TCE-RO elege por unanimidade cargos diretivos para o biênio 2016/17

    01 de outubro de 2015 | 14:04

    IMG_1486

    Na sessão do Pleno desta quinta-feira (1º), o Tribunal de Contas de Rondônia (TCE-RO) elegeu, por unanimidade, o conselheiro Edilson de Sousa como presidente para o biênio 2016/17. Também foram eleitos, de forma unânime, os conselheiros José Euler como vice-presidente; Paulo Curi, corregedor-geral; Benedito Alves, presidente da 1ª Câmara; Valdivino Crispim, presidente da 2ª Câmara; Francisco Carvalho, ouvidor; e Wilber Coimbra, presidente da Escola Superior de Contas.

    Ainda na mesma sessão foram eleitas as composições das Câmaras Plenárias do Tribunal de Contas para o biênio 2016/17, ficando a 1ª Câmara integrada pelos conselheiros José Euler e Francisco Carvalho, além do presidente Benedito Alves. Já a 2ª Câmara, presidida pelo conselheiro Valdivino Crispim, contará com os conselheiros Paulo Curi e Wilber Coimbra.

    Disciplinada pela Lei Orgânica e pelo Regimento Interno do TCE, a eleição foi realizada no início da sessão plenária desta quinta-feira, com os conselheiros votando, em escrutínio secreto, de acordo com sua antiguidade no Colegiado. Ainda de acordo com o Regimento Interno, o exercício dos cargos começa a partir de 1º de janeiro de 2016, prolongando-se até 31 de dezembro de 2017. A posse ocorrerá no próximo dia 10 de dezembro, em sessão especial do Pleno, no auditório do TCE rondoniense.

    PRONUNCIAMENTOS

    A eleição dos membros aos cargos diretivos para o próximo biênio foi destacada nos pronunciamentos feitos na sessão. O conselheiro Wilber, primeiro a se pronunciar, saudou os eleitos, destacando o trabalho pautado na probidade e austeridade feito pelo atual presidente, José Euler, bem como o apoio do Colegiado para que o novo presidente, conselheiro Edilson, faça uma gestão que reforce ainda mais os avanços institucionais conquistados pelo TCE.

    Já o conselheiro Crispim citou a serenidade com que a Corte foi conduzida nos últimos anos, mesmo em tempos economicamente turbulentos, desejando que esse sentimento se estenda à nova presidência. Felicitando os demais pares e a Corte pelas escolhas, o conselheiro Francisco Carvalho disse que o Tribunal caminha para cumprir seu propósito de realizar o controle externo com justiça.

    Além de mencionar o senso democrático e devotado ao interesse público do presidente Euler, o conselheiro Paulo Curi disse que as qualidades do presidente recém-eleito, como capacidade e sabedoria, serão fundamentais para comandar, com sensatez, o Tribunal nos desafios que virão. Do mesmo modo, o conselheiro Benedito Alves lembrou que o conselheiro Edilson, pelos trabalhos realizados e sua dedicação, tem muito a contribuir na condução dos destinos do TCE no próximo biênio.

    O procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC-RO), Adilson Moreira de Medeiros, eleito no último dia 16 para o cargo pelo Colégio de Procuradores para o biênio 2016/17, falou da administração agregadora e profícua realizada pelo presidente Euler, dizendo-se esperançoso também em relação à próxima gestão do TCE. “Haja vista os avanços empreendimentos pelo conselheiro Edilson, notadamente na área técnica e tecnológica”, acentua.

    O pronunciamento do conselheiro Euler foi marcado pelo agradecimento: aos pares, ao MPC, aos servidores e a todos que o auxiliaram na condução dos destinos da Corte nos últimos quatro anos, fator essencial para que o TCE rondoniense se consolidasse como referência em âmbito nacional, desejando ao seu sucessor a mesma sorte. “Já que capacidade o nobre conselheiro já demonstrou ter de sobra, particularmente em sua atuação neste Tribunal”, diz.

    Por fim, o conselheiro Edilson de Sousa, ao relembrar sua trajetória na Corte, citou membros e servidores que muito contribuíram para seu crescimento pessoal e profissional. Também agradeceu a confiança depositada pelos pares, enalteceu a atual administração, pelo espírito conciliador, sereno e inovador de seu presidente, e falou da sua disposição para, junto com todos que formam a Família TCE, enfrentar os desafios que virão visando o fortalecimento de uma instituição que, dentro de sua missão constitucional, atenda a sociedade dentro do esta almeja, ou seja, um serviço público de qualidade.